A Mesquita de Omar

Muitas pessoas acreditam que o Domo da Rocha, ou seja, a cúpula dourada que está no Monte do Templo em Jerusalém, é a chamada Mesquita do Omar. A realidade é que este belíssimo edifício com cúpula dourada não é nem uma mesquita nem é de Omar.

Trata-se de um santuário construído no ano de 691 pelo califa Abd al-Malik com o objetivo de:

  1.     Criar um santuário no mesmo local onde o Templo Sagrado de Jerusalém foi erguido, construído originalmente por Salomão quem, por sua vez, é um profeta no Islã. Além disso, inicialmente Maomé instruiu seus seguidores a orar na direção de Jerusalém, imitando os judeus que viviam no século VII na península arábica.
  2.     Competir com seus rivais bizantinos, mostrando que o santuário muçulmano é mais belo e suntuoso que o Santo Sepulcro. É por isso que a estrutura do Domo da Rocha é octogonal, talvez inspirada na igreja bizantina de Kathisma do século V (que lembra o local onde, segundo a tradição, Maria descansou a caminho de Belém), que também era octogonal e além disso, possui uma cúpula muito semelhante à cúpula do Santo Sepulcro.
  3.     Rivalizar com seu inimigo político, o califa Ibn al-Zubayr, quem controlava Meca (o lugar mais sagrado do Islã) e assim, desviar para Jerusalém boa parte das correntes peregrinas que iam em direção àquela cidade santa. Essa tese ainda é discutível por alguns historiadores que argumentam que o Abd al-Malik, um crente muçulmano, não iria prejudicar a peregrinação à cidade sagrada de Meca. De qualquer forma, é na época do filho de Abd al-Malik, Al Walid, que começam a identificar a passagem no Alcorão que fala da jornada de Maomé de Meca a “Al Aqsa”, que significa em árabe “o distante”, com o Monte do Templo em Jerusalém (ao qual os árabes chamam até hoje “Haram Al Sharif”, o “Nobre Santuário”). De acordo com essa tradição, nascida no início do século VIII, nessa travessia noturna o Profeta Maomé pousa na rocha que está dentro do Domo da Rocha (e daí seu nome) e sobe ao céu para receber de Deus os cinco preceitos do Islã a serem disseminados em todo o mundo.

Mas então, de onde vem a confusão que identifica o Domo da Rocha com a Mesquita de Omar?

Quando os muçulmanos estavam sitiando a cidade de Jerusalém no ano 638, o Patriarca de Jerusalém, Sofrônio I, concordou em se render sob a condição de que o próprio Califa Omar fosse pessoalmente a Jerusalém. O Califa Omar aprovou o pedido de Sofrônio I e, dessa maneira, Jerusalém se rende diante de uma nova força ascendente no âmbito internacional, o Islã.

Quando Omar entrou em Jerusalém, Sofrônio I, como sinal de rendição e respeito, ofereceu-lhe para entrar ao Santo Sepulcro para elevar uma oração. Omar rejeitou a proposta porque o Santo Sepulcro não era uma mesquita. No entanto, Omar orou em um lugar localizado a leste do Santo Sepulcro no que mais tarde seria denominado “A Mezquita de Omar”.

Mas então, desde quando começa a tradição de que o Domo da Rocha é teoricamente a Mesquita de Omar? Quando Omar sobe ao Monte do Templo, ele ainda estava em ruínas após a destruição dos romanos no ano 70 , ele se emociona ao saber que essas eram as ruínas do lugar onde o profeta Suliman (em referência ao rei Salomão, que no Islã é um profeta chamado Suliman) tinha construído o Templo Sagrado e também estava na mesma cidade onde, ao princípio, o profeta Muhammad direcionava suas orações. Para comemorar tal proeza, Omar ordenou a construção ao sul da rocha onde foi erguido o antigo Templo de Jerusalém, de uma Mesquita que, com o passar dos anos, se queimou e ela estava localizada onde hoje em dia está a Mesquita de Al Aqsa.

Vamos resumir até agora:

  •       O Domo da Rocha, erroneamente chamado “Mesquita de Omar”, nem sequer foi construída pelo califa Omar.
  •       Havia uma Mesquita que o Omar ordenou construir, e que era localizada ao sul do atual Domo da Rocha, destruído anos depois por um incêndio.
  •       Uma mesquita também foi construída a leste do Santo Sepulcro para lembrar a oração de Omar por ter conquistado Jerusalém no ano 638, que mais tarde foi chamada de “Mesquita de Omar”.

Quando os Cruzados conquistam Jerusalém no ano 1099, encontraram uma belíssima construção octogonal, o Domo da Rocha, e acreditaram que essa era a famosa Mesquita que o Omar tinha construído. É de lá e até hoje que muitas pessoas confundem o Domo da Rocha com a Mesquita de Omar.

Mas existe hoje em dia a autêntica Mesquita de Omar? A resposta é sim e não. Sim, porque ao sul do Santo Sepulcro há uma Mesquita chamada Mesquita de Omar (ver imagem) e não porque a mesma Mesquita, construída no ano de 1193, não está no mesmo lugar em que Omar orou quando chegou a Jerusalém no ano 638, senão que fica ao sul do Santo Sepulcro (veja imagem).

Resolvido o dilema, quando vocês visitarem Jerusalém, não deixem de se maravilhar com esta obra de arte da arquitetura chamada Domo da Rocha e, se vocês passarem pelo Santo Sepulcro, não deixem de visitar também a Mesquita de Omar.

CONHEÇA NOSSA AGENDA DE CURSOS

 

Ariel_Horovitz_Diretor_Moriah_Center

M.A. Ariel Horovitz

Fundador e diretor do Moriah International Center.

É formado em Sociologia e História do Povo Judeu pela Universidade Hebraica de Jerusalém, mestre em Gestão e Liderança pela Universidade de Bar Llan, de Israel.

É especializado na área de Liderança na Bíblia e em outros temas relacionados com a história do povo desde os tempos Bíblicos até a atualidade do moderno Estado de Israel.

Oferece conferências e seminários em diversas instituições acadêmicas de Israel, Estados Unidos, México, Brasil, Angola e outros países.

Comentários

Deixe uma resposta