A pousada do Bom Samaritano

Na época de Jesus, eram notórios o perigo e a dificuldade que caracterizavam a estrada da Galiléia para Jerusalém (especialmente de Jericó para Jerusalém) devido aos assaltos e ataques constantes aos peregrinos judeus que foram da Galiléia a Jerusalém pelo menos três vezes por ano.

O caminho começava em Jerusalém a cerca de 750 metros acima do nível do mar, e descia uns mil metros até chegar a Jericó, no vale do Jordão, 260 metros abaixo do nível do mar.

A parábola do Bom Samaritano descrita em Lucas 10 não é um fato histórico tal como concebemos a história em nossos dias. No entanto, se analisarmos essa parábola, podemos chegar a várias conclusões sobre o contexto geográfico, sociológico e religioso da época.

Primeiro, os samaritanos e os judeus eram rivais irreconciliáveis; uns aos outros se consideravam hereges. Os judeus basearam suas razões em que os samaritanos que faziam sua adoração no monte Gerizim, em vez do templo em Jerusalém. Além disso, eles somente aceitavam a Moisés como o único profeta, e não reconheciam nem a tradição oral nem o livro dos Profetas nem o dos Escritos.

Os judeus da Galiléia, e Jesus entre eles, em suas peregrinações, poderiam fazer o caminho mais curto e prático da Galiléia para Jerusalém através das montanhas da Samaria.

No entanto, eles preferiam caminhar pelas margens do rio Jordão (provavelmente do lado da Jordânia de nossos dias), prolongando assim sua jornada e isso se deveu ao quão perigoso era para um judeu caminhar pelas regiões samaritanas.

Segundo, a parábola nos diz que um padre e um levita passam na frente do judeu espancado e o ignoram, continuando seu caminho para Jerusalém. Normalmente, pensaríamos que essa atitude se devia a uma atitude de condenável indiferença à dor, mas o significado vai além. É altamente provável que os dois tenham ido a Jerusalém para oficiar no templo. A lei determinava que quem tocasse um cadáver sangrento seria impuro até a noite, e alguém impuro não poderia participar de rituais religiosos.

A imagem do samaritano como piedoso salvador do judeu derrotado representa uma mudança substancial em relação ao conceito de “próximo”.

É claro que os personagens do sacerdote e do levita são mencionados intencionalmente na parábola. Também não é por casual atribuir ao homem misericordioso a condição de samaritano. Tudo isso é escolhido deliberadamente para sublinhar a nova noção de próximo que Jesus quer promulgar. Porque este é o ensino de sua parábola: amor ao próximo, independentemente de sua religião, origem ou fé, e mesmo que esse “próximo” seja seu próprio inimigo.

Finalmente, o piedoso samaritano leva o judeu ferido a uma das pousadas que estavam na estrada e cuja função era ajudar os viajantes: fornecer água, um lugar para dormir sob uma fresca palmeira no deserto, curar feridas, etc. como descrito na parábola.

 

Precisamente, o atual museu do “Bom Samaritano”, inaugurado em 2009, está localizado na estrada que vai de Jerusalém a Jericó e é o local onde durante séculos serviu de pousada para os peregrinos que foram a Jerusalém inclusive, desde a época do Segundo Templo.

No museu existem restos arqueológicos da época do segundo templo (inclusive, restos de um dos muitos palácios do rei Herodes) e ali, mosaicos fascinantes são exibidos, principalmente da época bizantina.

Uma das descobertas mais impressionantes é, sem dúvida, a bela igreja bizantina que foi restaurada mantendo seus mosaicos originais e localizada ao lado dos quartos da pousada.

Além disso, há uma amostra dos ritos dos samaritanos hoje. Sim, ainda existem samaritanos! Eles são cerca de mil, no total, a metade deles mora na cidade israelense de Holon e a outra metade reside na cidade palestina de Nablus ou Sichem. O Monte Gerizim é hoje o lugar mais sagrado para a religião samaritana.

Comentários

Deixe uma resposta