Arqueólogos da Universidade Hebraica descobrem a caverna 12 dos Manuscritos do Mar Morto

(tradução do artigo publicado pela Universidade Hebraica de Jerusalém no dia 08/02/2017)

O arqueólogo da Universidade Hebraica Dr. Oren Gutfeld: “Esta é uma das descobertas arqueológicas mais emocionantes e as mais importantes dos últimos 60 anos nas cavernas de Qumran”.

Escavações em uma caverna nos penhascos do oeste de Qumran, perto da costa noroeste do Mar Morto, demonstram que os Manuscritos do Mar Morto do período do Segundo Templo, estavam escondidos na caverna e foram saqueados pelos Beduínos em meados do século passado. Com a descoberta dessa caverna, os especialistas agora sugerem que ela seja listada como Caverna 12.

Arqueólogos Escavando

A surpreendente descoberta, que representa um marco na investigação dos Manuscritos do Mar Morto, foi feita pelo Dr. Oren Gutfeld e Ahiad Ovadia, do Instituto de Arqueologia da Universidade Hebraica de Jerusalém, com a colaboração do Dr. Randall Price e estudantes da Liberty University na Virgínia, EUA.

Os escavadores são os primeiros a descobrir, em mais de 60 anos, uma nova caverna de manuscritos e cavá-la devidamente.

A escavação foi apoiada pela Administração Civil da Judéia e Samaria, pela Autoridade da Natureza e Parques de Israel, e pela Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA), e faz parte do novo “Operação Manuscrito” lançada na IAA pelo seu Diretor-Geral, Sr. Israel Hasson, para realizar pesquisas sistemáticas e escavar as cavernas no deserto da Judeia.

Oren e Ahiad

A escavação da caverna revelou que em um ponto teve Manuscritos do Mar Morto. Inúmeros jarros e tampas de armazenamento do período do Segundo Templo foram encontrados, escondidos em nichos ao longo das paredes da caverna, e no fundo de um longo túnel na parte traseira. Os jarros estavam quebrados e seu conteúdo foi removido, e a descoberta no final da escavação, de um par de flechas de ferro dos anos 50 (armazenadas dentro do túnel para um uso posterior) mostra que a caverna foi saqueada. 

Até agora, acreditava-se que apenas 11 cavernas continham manuscritos. Com a descoberta desta caverna, os especialistas sugeriram que ela seria listada como Caverna 12. Igual à Caverna 8, na qual foram encontrados jarros de rolos, mas nenhum manuscrito, essa caverna receberá a designação Q12 (Q = Qumran, ao frente do número para indicar que nenhum manuscrito foi achado).

Fragmentos de Jarro

“Esta emocionante escavação é o mais próximo que estivemos, em 60 anos, da descoberta de novos Manuscritos do Mar Morto. Até agora, foi aceito que os Manuscritos do Mar Morto foram encontrados apenas em 11 cavernas em Qumran, mas agora não há dúvida de que esta é a caverna 12 “, disse o Dr. Oren Gutfeld, arqueólogo do Instituto de Arqueologia da Universidade Hebraica e diretor da escavação. “Encontrar essa caverna adicional de pergaminhos significa que não podemos mais ter certeza de que os locais originais (cavernas 1 a 11) atribuídos aos Manuscritos do Mar Morto, que chegaram ao mercado através dos beduínos, são precisos”.

O Dr. Gutfeld acrescentou: “Embora nenhum manuscrito tenha sido encontrado finalmente, e em vez disso, ‘apenas’ encontramos um pedaço de pergaminho enrolado em uma jarra, que estava sendo processado para escrever, as descobertas indubitavelmente indicam que a caverna tinha rolos que foram roubados.

As descobertas da escavação incluem não apenas os jarros de armazenamento, que continham os manuscritos, mas também fragmentos com os quais os manuscritos foram envoltos, uma corda para amarrá-los e um pedaço de couro processado que fazia parte de um rolo. 

A descoberta de cerâmica e numerosas lâminas de pederneira, pontas de flecha e um selo decorativo feito de cornalina, uma pedra semipreciosa, também revelou que essa caverna foi usada nos períodos Calcolítico e Neolítico.

Essa primeira escavação a ser realizada na parte norte do deserto da Judeia, como parte da “Operação Manuscrito”, abrirá a porta para entender melhor a função das cavernas em relação aos rolos, com o potencial de encontrar novo material de manuscritos. O material, quando divulgado, fornecerá novas evidências importantes para expertos da arqueologia de Qumran e das cavernas do Mar Morto.

“A importante descoberta de outra caverna de pergaminhos testifica o fato de que ainda há muito trabalho a ser feito no deserto da Judeia e achados de grande importância ainda estão aguardando ser descobertos”, disse Israel Hasson, diretor geral da Autoridade de Antiguidades de Israel. “Estamos em uma corrida contra o tempo, porque ladrões de antiguidades roubam bens patrimoniais em todo o mundo para obter ganhos financeiros. O Estado de Israel precisa mobilizar e designar os recursos necessários para iniciar uma operação histórica, juntamente com o público, para realizar uma escavação sistemática de todas as cavernas no deserto da Judéia”.

Crédito das fotos: UNIVERSIDADE HEBRAICA DE JERUSALÉM

 

Texto original em inglês: 

 

CONHEÇA NOSSA AGENDA DE CURSOS

 

Universidade Hebraica de Jerusalém

A Universidade Hebraica de Jerusalém é a mais importante de Israel.  Atualmente conta com cerca de 23.000 estudantes e mais de 1000 professores. Desde sua fundação em 1925, a Universidade entregou mais de 120.000 títulos acadêmicos. A Universidade possui 5 campus e 9 faculdades. Nove professores da Universidade receberam o Prêmio Nobel.

CONHEÇA MAIS

Comentários

Deixe uma resposta