Quem tirou a batalha de Qarqar da Bíblia?

Ou melhor:

Por que os relatores ou compiladores do Livro Bíblico dos Reis decidiram não incluir nele o relato de uma das maiores, mais decisivas e importantes batalhas da época?

Map Qarqar
Imagem 1: Mapa de Qarqar

Foi no século IX AC. A divisão dos israelitas em dois reinos, Israel no norte, com uma capital em Samaria, e Judá no sul, com uma capital em Jerusalém, já era um fato consumado e irreversível. Mas a dinastia real do reino do norte nesses momentos, a Casa de Omri, tinham estabelecido convênios de aliança com o reino de Judá e também com o reino fenício de Tiro.

Selaram-se as alianças com casamentos diplomáticos entre as famílias reais:

  • Omri casou seu filho Acabe com a princesa Jezabel, filha do rei de Tiro, e Acabe e Jezabel por sua vez deram sua filha Athaliah (Athaliah) em casamento ao príncipe herdeiro Joram (Yehorám), filho de Jeosafá, rei de Judá da Casa de Davi.

A aliança tripartida foi mantida durante todo o reinado da Casa de Omri, e trouxe consigo um notável auge econômico, entre outras razões pelo domínio dos reinos aliados das rotas comerciais que ligavam os portos fenícios no Mediterrâneo ao porto de Eilat sobre o Mar Vermelho, e com as rotas das caravanas para leste.

Esse auge econômico, diplomático e comercial também trouxe consigo uma crescente influência cultural e religiosa estrangeira nos reinos de Judá e Israel, o qual enfureceu os fervorosos defensores do monoteísmo israelense.

Desde o ponto de vista teológico do Livro dos Reis, os reis da Casa de Omri foram uma manada de odiosos pecadores, cujo summum foi a introdução da adoração aos deuses estrangeiros Baal e Asherah nas mãos de Jezabel e seu séquito.

Acabe (871-851 AC) foi o rei mais poderoso da dinastia e talvez o mais poderoso de toda a história do reino do norte.

 

Os formidáveis restos ​​de seus edifícios estão hoje entre os locais arqueológicos mais impressionantes de Israel que datam dos tempos bíblicos.

Entre eles, vale destacar as cidades muradas de Megido e Hazor, com seus imponentes sistemas hidráulicos e estábulos reais.

A situação geopolítica estava longe de ser simples: as duas grandes potências que competiam pela hegemonia global eram o Egito e a Assíria, e entre o reino de Israel e a Assíria estavam os reinos aramaicos encabeçados por Aram-Damasco.

Os dois grandes desafios dos israelitas era enfrentar a coalizão aramaica, por um lado, e por outro, não ser vítima da expansão do império assírio, que em sua expansão no sentido oeste estava engolindo país após país.

Os arameus tinham dois desafios semelhantes: suas intermináveis ​​guerras com os israelitas, por um lado, e por outro, o perigo iminente de ser anexado ao império assírio, que já estava à sua porta.

Segundo o relato bíblico (capítulos XVI-XXII de 1 Reis), Acabe reinou 22 anos durante os quais enfrentou três batalhas sangrentas com os arameus, na última delas, ele foi mortalmente ferido em combate (1 Reis 22).

A esta trágica batalha, ele se apresentou reforçado pelo exército de Judá com o rei Josafá – seu sogro – à frente.

Nenhum confronto de Acabe com os assírios é mencionado na Bíblia.

Até aqui a história de Acabe conhecida até 1863. No ano de 1861, o britânico John George Taylor descobre em uma vila chamada Kurkh, na província do Curdistão do outrora Império Otomano, hoje a localidade turca de Üçtepe (também Uchtepe), uma estela assíria esculpida em pedra calcária branca com a efígie do rei Shalmaneser III, que reinou entre 859 e 824 AEC.

Dois anos após sua descoberta, Taylor doa a estela ao Museu Britânico em Londres onde está exposto até hoje. Na estela de 2,21 m. de alto e 87 cm. de largura, seus escultores esculpiram uma longa inscrição em 156 linhas, cujo conteúdo tornou-a uma das mais famosas e importantes inscrições assírias.

A inscrição real relata eventos marcantes dos primeiros seis anos do reinado de Shalmaneser III até 852 AEC, quando o exército assírio combateu na área de Kurkh nas margens do rio Tigre e decidiu-se esculpir e colocar a estela naquele lugar.

Ao decifrar a inscrição (em língua acadiana e escrita cuneiforme) uma grande surpresa aguardava os estudiosos:

  • Segundo os escribas oficiais do rei da Assíria, em 853 AEC o exército imperial assírio com o rei à frente conflagrou uma grande batalha de campo aberto perto da cidade de Qarqar, nas margens do rio Orontes contra uma grande coalizão de exércitos liderados por três reis.

Dois deles reis aramaicos:

  • “Adad-Ezer de Aram-Damasco” e “Irjuleni de Hammat”, e o terceiro “Acabe, o Israelense”. “Adad-Ezer” é sem dúvida o nome da Bíblia com o nome hebraico “Ben-Adad”, rei de Aram-Damasco e arqui-inimigo de Acabe, e aqui estão os dois inimigos obstinados que lutam juntos contra o exército imperial assírio.

A inscrição detalha as forças com que cada um dos membros da coalizão apareceu em batalha, começando pelos três líderes.

Adad-Ezer/Ben-Adad de Damasco, contribuiu com 20.000 combatentes de infantaria e 1.200 tanques. Acabe apareceu na frente de 10.000 combatentes de infantaria e 2.000 tanques de combate.

Os tanques de batalha dos israelitas compunham metade de todos os tanques da coalizão, e se esse número for verdadeiro, evidencia a gigantesca força militar e econômica do reino de Israel no tempo de Acabe.

Afinal, o exército imperial assírio tinha cerca de 4.000 tanques.

Muitas sobrancelhas se ergueram quando ele leu o número de tanques de combate de Acabe.

Os tanques de combate eram na época a força esmagadora nas batalhas em campo aberto.

Constituir, manter e treinar tal quantidade de tanques, combatentes profissionais e cavalos treinados, pareceria um pouco exagerado, e até hoje existem opiniões diferentes entre os pesquisadores:

1. Alguns pensam que este é um erro de ortografia causado pela semelhança dos sinais cuneiformes para escrever os números 200 e 2.000. No texto original dizia 200 e os escultores da estela erraram e esculpiram 2.000. 

2. Todos os números na estela foram exagerados intencionalmente pelos assírios para fins de propaganda. 

3. Outros – inclusive eu – acham que Acabe não apareceu sozinho com o exército de seu reino, mas com o de seu aliado Judá e com os exércitos dos dois pequenos reinos da Transjordânia – Moabe e Edom – que eram naquela época vassalos, o primeiro de Israel e o segundo de Judá, e pelo qual eles eram obrigados a contribuir com forças.

Essa força conjunta pode ter tido mais de 1.000 tanques, um número arredondado para 2.000. Como esperado, de acordo com a inscrição o exército assírio alcançou uma devastadora vitória e arrasou seus inimigos. Muito expectável.

Os assírios, como os outros impérios da época, nunca reconheceram a derrota em suas inscrições ostensivas.

Não só isso, mas os fatos subsequentes demonstram exatamente o oposto: O avanço da máquina militar expansionista assíria no sentido oeste parou e os reinos israelita e aramaico permaneceram totalmente independentes.

Os exércitos da coalizão alcançaram seu objetivo e os reis que estiveram à sua frente voltaram vitoriosos para suas capitais.

Sem dúvida, a batalha de Qarqar foi um evento militar e geopolítico de grande magnitude do século IX.

Uma das poucas vezes em que outras forças além das potências mundiais se encontraram em uma batalha em campo aberto (e não em batalhas de assédio) ao exército imperial assírio, e até fizeram isso com sucesso.

Certamente, um ponto cardeal no reino de Acabe e, portanto, expectável de ser narrado no Livro Bíblico dos Reis.

 

Por que os escribas ou compiladores do Livro dos Reis não incluíram o relato da batalha de Qarqar no livro?

Segundo a maioria dos estudiosos, eles fizeram isso para não exaltar a figura de um rei considerado o pior dos pecadores.

A propósito, deve haver uma razão para isso, mas vamos ver a imagem completa: o Livro dos Reis não faz alarde de contar todos os eventos dos reis de Israel e Judá, mas cita seletivamente, de acordo com seus critérios, duas fontes não conservadas: o livro de Atos dos Reis de Judá e o livro de Atos dos Reis de Israel, e depois de citar o que ele decidiu citar sobre cada rei, ele nos remete a essas fontes com uma frase lacônica “e o resto de suas obras, porventura não está escrito no Livro dos Atos dos reis de Israel/Judá?”.

No caso de Acabe, apesar de ser visto tão negativamente, reconhece a sua virtude de ter sido um grande construtor de cidades (1Reis 22:39).

Se eles tivessem decidido incluir a batalha de Qarqar no livro, o teriam feito no início do capítulo XXII de 1 Reis.

Aqui está o versículo chave para inseri-lo cronologicamente: entre a segunda e a terceira última guerra com os arameus “E três anos passaram sem guerra entre Aram e Israel”.

A razão para essa trégua de três anos é clara: Israelitas e arameus se uniram em coalizão para deter o império assírio, que, como um monstro imparável, ameaçava conquistar e subjugar todos eles.

Depois de parar a expansão assíria na Batalha de Qarqar, em 853 AEC, em 851, os arameus contra Israel e Judá se reúnem novamente em Ramot-Gileade e Acabe é mortalmente ferido em batalha.

 

¹ Veja o artigo no Túnel de Ezequias neste blog sobre a possibilidade de uma citação deste livro ter sido preservada.

CONHEÇA NOSSA AGENDA DE CURSOS

 

Daniel_Vainstub_Moriah_Center

Dr. Daniel Vainstub

Graduado em Arqueologia e História do Povo Judeu na época bíblica e do Segundo Templo na Universidade Hebraica de Jerusalém.

Mestrado em Epigrafia e Paleografia Hebraica e Semita Ocidental na Universidade Hebraica de Jerusalém.

Doutorado na Universidade Ben-Gurion de Beer-Sheva.

Catedrático e investigador há mais de vinte anos na Universidade Ben-Gurion em todos os campos concernentes à época bíblica. Ministra cursos no Museu de Israel. Publicou numerosos artigos.

Participa habitualmente de congressos nacionais e internacionais.

Comentários

Deixe uma resposta